MESTRE

O blog do Professor Reizinho

BEM-VINDO AO BLOG DO PROFESSOR REIZINHO

Existem muitas coisas erradas com o mundo hoje, mas elas não perturbam a todos. Superpopulação, esgotamento e poluição do meio ambiente, e até mesmo a possibilidade de uma guerra nuclear são freqüentemente desconsiderados como sendo assuntos de um futuro razoavelmente distante. Pobreza, doença e violência são problemas atuais, mas não para todos. Muitos daqueles que vivem nas democracias ocidentais desfrutam de um grau razoável de fartura, liberdade e segurança. Mas eles têm o seu próprio problema. Apesar de seus privilégios, muitos estão aborrecidos, inquietos ou deprimidos. Não estão desfrutando suas vidas. Não gostam daquilo que fazem; não fazem aquilo que gostam. Numa palavra, estão infelizes. Esse não é o mais sério problema no mundo, mas se poderia dizer que é premente. Algo semelhante ao estilo de vida atual no Ocidente é aquilo que a maioria das pessoas almeja desfrutar após ter resolvido seus outros problemas. Não existiria alguma coisa mais promissora para o futuro da espécie?

Essas são afirmações acerca de como as pessoas se sentem. Expressá-las dessa forma é um padrão. Por séculos, sentimentos têm sido aceitos tanto como causas quanto como efeitos de comportamento. Diz-se que as pessoas fazem o que fazem porque se sentem propensas (feel like) a fazê-lo, e sentem o que sentem por causa do que fizeram. Como os sentimentos parecem assumir um papel tão importante, argumenta-se que uma ciência do comportamento estaria incompleta, caso não fosse capaz de resolver o tipo de problema com o qual estamos preocupados aqui.




1 comentários:

Vagner Rego disse...

Ricardo,
Há um descompasso entre o progresso tecnológico, que o ocidente alcançou no século XX e início de XXI, e a evolução humana no sentido ético. A cada feita tecnológica uma desumanização se avizinha.
Entendo que o esteja errado seja esse descompasso.
Valeu

Vagner Rego

Postar um comentário